Ciência e Tecnologia
17.01.2011

Zumbido crônico pode ser causado por mudanças estruturais no cérebro

O som fantasma ainda não tem cura, mas o problema pode ser atenuado com o uso de medicamentos antidepressivos

Mudanças estruturais e funcionais no cérebro podem ser as responsáveis pelo zumbido crônico, segundo neurocientistas do Centro Médico da Universidade Georgetown (GUMC). O som fantasma pode ser causado por cérebros que tentam proteger seus hospedeiros humanos contra a esmagadora onda de estímulos auditivos, dizem os pesquisadores. Eles acrescentam que o mesmo processo pode ser responsável pela dor crônica e outros transtornos da percepção.

A equipe explica que a ausência do som causado pela perda auditiva em determinadas frequências devido ao envelhecimento normal, à exposição ao ruído alto ou a um acidente força o cérebro a produzir sons para substituir o que falta. Mas quando o sistema límbico do cérebro, que está envolvido no processamento das emoções e outras funções, não para de receber estes sons do processamento auditivo consciente, o resultado é o zumbido.

"Acreditamos que a desregulação das redes límbicas auditivas pode estar no coração do zumbido crônico", diz o líder do estudo, Josef P. Rauschecker. "A cura final e completa pode depender de um entendimento detalhado da natureza e da base desta desregulação".

O zumbido não tem cura, embora os antidepressivos pareçam ajudar alguns pacientes, assim como o uso de máscaras para diminuir o foco do ruído nas sensações de toque.

Usando ressonância magnética funcional, os pesquisadores de Georgetown testaram 22 voluntários, metade dos quais tinham sido diagnosticados com zumbido crônico. Eles descobriram que a hiperatividade moderada esteve presente no córtex auditivo primário e posterior dos pacientes com zumbido, mas que o núcleo accumbens - envolvido na avaliação de recompensa, emoção e aversão - apresentou o maior grau de hiperatividade, especificamente para os sons que foram pareados com frequências perdidas nos pacientes.

"Isto sugere que o circuito corticostriatal faz parte da rede de avaliação geral, determinando quais sensações são importantes e finalmente afetando a forma como ou se essas sensações são experimentadas", explica Rauschecker. "Neste estudo, fornecemos evidências de que estas estruturas límbicas, especificamente o núcleo accumbens e o córtex pré-frontal ventromedial, realmente diferem nos cérebros de indivíduos com zumbido".

Fonte: Isaude.net