Saúde Pública
16.09.2010

Cardiologistas fazem campanha para mostrar como evitar a morte súbita

Especialistas insistem que para reduzir a mortalidade cardíaca é preciso que as pessoas conheçam e combatam os fatores de risco

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) comemora, nesta sexta-feira (17), o Dia Mundial do Coração e pretende mostrar à população como se prevenir da " morte súbita" decorrente do infarto, que atinge pessoas que não conhecem os seus riscos ou pior, sabem mas nunca tomaram as providências adequadas.

O diretor da SBC/Funcor, Dikran Armaganijan, ressalta a necessidade da campanha ao afirmar que " o infarto é a primeira manifestação de que algo vai mal no sistema cardiovascular, para aproximadamente 50% dos brasileiros acometidos por um ataque cardíaco" . O especialista acrescenta que " isso explica porque o coração ainda é o maior assassino de brasileiros, matando 315 mil pessoas a cada ano, no País" .

Os cardiologistas insistem que para reduzir a mortalidade cardíaca é preciso que as pessoas conheçam e combatam os fatores de risco, entre os quais a hipertensão, a obesidade, o sedentarismo, o tabagismo e o índice inadequado de colesterol. Para reforçar essas recomendações, neste dia, a entidade promoverá no MASP, à Avenida Paulista, entre 9h e 15h, a tradicional aferição da pressão arterial, a dosagem de colesterol, a dosagem de monóxido de carbono e fará a medição da circunferência abdominal, tendo em vista que mais de 80 cm na altura do umbigo para a mulher e mais de 90 cm para o homem são sinais de alerta de risco cardíaco.

Para os especialistas, muito importante também são os folhetos, a orientação nutricional e o material educativo que serão distribuídos e que têm efeito multiplicador, como a campanha contra o consumo excessivo de sal, que levou dezenas de restaurantes a reduzirem a quantidade que colocam nos alimentos, em benefício da saúde da população.

Dikran insiste que " em relação à doença, o correto é a prevenção por ser mais barata e por trazer melhores resultados, evitando surpresas, inclusive a morte súbita" . Ele exemplifica com a questão da hipertensão, que pode ser controlada tanto com uma vida mais saudável como, se for necessário, com medicação muito barata que pode ser conseguida até de graça nos postos de saúde.

" A prevenção e o tratamento evitam o infarto e a morte súbita, reduzem a necessidade de hospitalização e beneficiam toda a sociedade" , diz ele, " e ganha também o próprio paciente que, se deixar o fator de risco provocar um infarto, terá que parar de trabalhar pelo menos por um período, o que prejudica sua família inteira.

Fonte: SBC