Ciência e Tecnologia
10.09.2010

Ensaio clínico avalia potencial das vitaminas na redução dos defeitos congênitos

Cientistas querem descobrir se o nutriente inositol combinado com o ácido fólico poderia minimizar ainda mais os riscos

Foto: Sofia Christofidou/Univ. College London
O pesquisador Nick Greene, que também participou do estudo
O pesquisador Nick Greene, que também participou do estudo

Estudo inédito do University College London, na Inglaterra, está investigando se suplementos alimentares, além de ácido fólico, podem reduzir o risco de defeitos congênitos. Mulheres que tomam ácido fólico durante a gravidez podem reduzir as chances de o bebê nascer com defeitos no tubo neural (espinha bífida ou anencefalia).

O professor Andrew Copp está conduzindo, agora, uma investigação para descobrir se a vitamina inositol poderia reduzir, ainda mais, o risco de um defeito de nascença, especialmente nos casos em que o ácido fólico não é eficaz, como acontece em camundongos.

O estudo PONTI é um ensaio clínico aleatório controlado em mulheres grávidas - metade das mulheres recebe ácido fólico e inositol e a outra metade recebe ácido fólico e um placebo. A intenção é verificar se inositol e ácido fólico são mais eficazes juntos, do que o ácido fólico sozinho na prevenção de defeitos congênitos.

"Enquanto todas as gestantes deveriam tomar ácido fólico, é sabido que algumas pessoas tem menos benefícios do que outras na redução dos defeitos de nascimento. (Isto pode ser devido à sua herança genética específica.) O estudo poderia, portanto, adicionar informações de saúde pública de grande utilidade", disse Copp.

Para o teste clínico, os pesquisadores estão recrutando mulheres que têm entre 18 e 40 anos de idade, que possuem alguma história de defeito do tubo neural durante a gestação, e planeja uma gravidez.

Fonte: Isaude.net